Artigos

Papa: não fechar as portas ao Espírito Santo

11/05/2016,

“Quem somos nós para fechar as portas” ao Espírito Santo? Esta foi a pergunta que o Papa Francisco fez várias vezes na homilia da missa matutina, presidida na Casa Santa Marta.
O Papa falou sobre a conversão dos primeiros pagãos ao cristianismo, segundo a experiência que Simão Pedro vive no trecho dos Atos dos Apóstolos proposto pela liturgia.
Pedro é testemunha ocular da descida do Espírito Santo sobre esta comunidade, mas antes hesita em ter contato com aquilo que sempre considerou “impuro”. Ele sofre duras críticas dos cristãos de Jerusalém, escandalizados pelo fato que seu chefe tivesse se sentado à mesa com pessoas “não circuncisas” e as tivesse até mesmo batizadas. Um momento de crise interna, que o Papa Francisco recorda com um pouco de ironia:
“É uma coisa que não se podia pensar. Se amanhã viesse uma expedição de marcianos, por exemplo, e alguns deles viessem a ter conosco... marcianos, não? Verdes, com aquele nariz longo e as orelhas grandes, como nos desenhos das crianças... E um deles dissesse: ‘Mas eu quero o Batismo!’. O que aconteceria?”
Pedro compreende o erro quando uma visão o ilumina sobre uma verdade fundamental: aquilo que foi purificado por Deus não pode ser chamado “profano” por ninguém. E ao narrar esses fatos à multidão que o critica, o Apóstolo – recordou o Papa – tranquiliza todos com esta afirmação: “Portanto, se Deus lhes concedeu o mesmo dom que a nós, que cremos no Senhor Jesus Cristo, quem seria eu para poder impedir a Deus de agir?”.
“Quando o Senhor nos faz ver o caminho, quem somos nós para dizer: ‘Não Senhor, não é prudente! Não, façamos de outro modo… E Pedro naquela primeira diocese – a primeira diocese foi Antioquia – toma esta decisão: ‘Quem sou eu para impedir?’. Uma bela palavra para os bispos, para os sacerdotes e também para os cristãos. Mas quem somos nós para fechar as portas? Na Igreja antiga, até hoje, há o ministério do ostiário. E o que ele fazia? Abria a porta, recebia as pessoas e as deixava entrar. Mas jamais foi o ministério de quem fecha as portas, jamais!”.
Ainda hoje, repetiu o Papa Francisco, Deus deixou a guia da Igreja “nas mãos do Espírito Santo”. “É ele quem, como diz Cristo, nos ensinará tudo e fará com que recordemos aquilo que Jesus nos ensinou:
“O Espirito Santo é a presença viva de Deus na Igreja. É quem leva avante a Igreja, quem a faz caminhar. Sempre mais, além dos limites, mais avante. Com os seus dons, o Espírito Santo guia a Igreja. Não se pode entender a Igreja de Jesus sem este Paraclito, que o Senhor nos envia para isso. E faz essas escolhas impensáveis, mas impensáveis! Para usar uma palavra de S. João XXIII: é justamente o Espírito Santo que atualiza a Igreja: realmente, a atualiza e a faz prosseguir. E nós cristãos devemos pedir ao Senhor a graça da docilidade ao Espírito Santo. A docilidade a este Espirito, que nos fala no coração, nos fala nas circunstâncias da vida, nos fala na vida eclesial, nas comunidades cristãs, nos fala sempre”.


Crédito: Papa Francisco

Fonte: http://www.news.va/pt/news/papa-o-espirito-santo-sempre-impulsiona-a-igreja-a

Pastoral da Saúde

Pastoral da Saúde 01/03/2016, “Vindo sobre a terra para anunciar e realizar a salvação de todo o homem, Jesus mostra uma especial predileção por aqueles que estão feridos no corpo e no espírito: os pobres, os pecadores, os oprimidos, os doentes e os marginalizados. Ele assim se revela médico seja da alma ou seja do corpo”. No Brasil e no mundo, grupos específicos se dedicam a esse trabalho de levar a misericórdia de Deus aos doentes, com a chamada Pastoral da Saúde. Na Paróquia Nossa Senhora da Piedade esta pastoral atua, semanalmente, com a visita dos agentes aos enfermos seja no hospital ou em suas casas, com uma palavra de esperança, amor e paz e conta, inclusive, com a missão dos MECE’s que levam a Eucaristia àqueles doentes impedidos de participarem da Santa Missa Dominical. Além dos agentes pastorais da saúde, o pároco visita os enfermos, ministra o Sacramento da Unção dos Enfermos quando preciso e celebra a Santa Missa duas vezes ao ano, por ocasião da Páscoa e do Natal. A equipe pastoral se reúne todo 2º sábado do mês para partilhar a experiência missionária e formação. A coordenação pastoral se disponibiliza para acolher todos os fiéis interessados em participarem da Pastoral da Saúde e contribuir para o anúncio da Boa Nova do Evangelho.

Nota sobre O Método de Ovulação Billings™

Nota sobre O Método de Ovulação Billings™ 26/02/2016, No dia 21 de fevereiro, o Bispo Dom Edney Gouvêa Mattoso, e a Vice-Presidente da Cenplafam (Confederação Nacional de Planejamento Natural da Família), Heloísa Pereira, certificaram primeiro grupo habilitado para instruir e divulgar o Método de Ovulação Billings (MOB) na Diocese de Nova Friburgo. O evento aconteceu na Matriz Paroquial Imaculado Coração de Maria, São Pedro e São Paulo, em Duas Pedras, e marcou ainda a implantação do Núcleo de Planejamento Familiar (Nuplafam) neste território. Os Coordenadores do Nuplafam do Regional Leste I, Célio Silva Júnior e Cássia Silva, também participaram da entrega, responsáveis por realizarem o treinamento necessário para o processo de implantação do núcleo, ocorrido em 2015. A partir de então a Diocese passa a contar com três células do Nuplafam: Vicariato Sede: coordenadores, Luciana e Eduardo; Vicariato Norte: coordenadores, Layla e Fabrício; Vicariato Litoral: coordenadores, Ana Cristina e Amaury Marques. O casal, Grasiele e Wellington Guimarães, são responsáveis pela a coordenação Diocesana. O Método de Ovulação Billings™(MOB) é 100% natural. Este se baseia nos sinais naturais de fertilidade e infertilidade que o corpo da mulher produz ao longo do ciclo. Usar o MOB é retornar à essência feminina, livre de hormônios sintéticos, de procedimentos invasivos e de dispositivos artificiais. E sua eficácia foi validada pela Organização Mundial da Saúde. “Muitas vezes vemos a fertilidade como algo que incomoda. Não temos a consciência disto como um dom de Deus. A partir do momento que percebemos que toda sociedade impõe às pessoas que essa fertilidade é algo ruim, nós somos convidados a ser este instrumento para levar isto, resgatando o sentido da fertilidade como um dom. Que nós sejamos esses instrumentos, seguindo a orientação do Pastor e fazendo realmente presença junto a todas as pessoas em todos os lugares.” – disse a Vice-Presidente da Cenplafam (Confederação Nacional de Planejamento Natural da Família), Heloísa Pereira.

Crédito: Layla Pires

Cuidado com as penitências absurdas na Quaresma

Cuidado com as penitências absurdas na Quaresma 24/02/2016, É preciso ter bastante cuidado com as penitências absurdas na Quaresma Quaresma é tempo de lutar contra nossos pecados, pois ele é a pior realidade para nós. O Catecismo (n. 1489) diz: “Aos olhos da fé, nenhum mal é mais grave que o pecado, e nada tem consequências piores para os próprios pecadores, para a Igreja e para o mundo inteiro”. Olhando para Jesus, desfigurado e destruído na cruz, entendemos o horror que é o pecado. Foi preciso a morte de Cristo para que nos livrássemos do pecado e da morte eterna, a separação da alma de Deus. Então, a Igreja nos propõe 40 dias de penitência, de resistência contra o pecado na Quaresma. Essa prática é baseada na vida do povo de Deus. Durante 40 dias e 40 noites, caiu o dilúvio que inundou a terra e extinguiu a humanidade pecadora (cf. Gn. 7,12). Durante 40 anos, o povo escolhido vagou pelo deserto, em punição por sua ingratidão, antes de entrar na terra prometida (cf. Dt 8,2). Durante 40 dias, Ezequiel ficou deitado sobre o próprio lado direito, em representação do castigo de Deus iminente sobre a cidade de Jerusalém (cf. Ez 4,6). Moisés jejuou durante 40 dias no Monte Sinai antes de receber a revelação de Deus (cf. Ex 24, 12-17). Elias viajou durante 40 dias pelo deserto, para escapar da vingança da rainha idólatra Jezabel e ser consolado e instruído pelo Senhor (cf. 1 Reis 19,1-8). O próprio Jesus, após ter recebido o batismo no Jordão, e antes de começar a vida pública, passou 40 dias e 40 noites no deserto, rezando e jejuando (cf. Mt 4,2). É um tempo de luta contra o mal. São Paulo nos oferece uma indicação precisa: “Nós vos exortamos a que não recebais em vão a sua graça”. Porque Ele diz: “No tempo favorável, eu te ouvi; no dia da salvação, vim em teu auxílio’’. Este é o “tempo favorável”, este é “o dia da salvação” (2 Cor 6,1-2). A liturgia da Igreja aplica essas palavras de modo particular ao tempo da Quaresma. “Convertei-vos e crede no Evangelho” e “Lembra-te de que és pó e ao pó hás de voltar”. Convite à conversão O primeiro convite é à conversão, é um alerta contra a superficialidade de nossa maneira de viver. Converter-se significa mudar de direção no caminho da vida: uma verdadeira e total inversão de rumo. Conversão é ir contra a corrente, contra a vida superficial, incoerente e ilusória, que frequentemente nos arrasta, domina e torna-nos escravos do mal ou pelo menos prisioneiros dele. Jesus Cristo é a meta final e o sentido profundo da conversão; Ele é o caminho ao qual somos chamados a percorrer, deixando-nos iluminar pela sua luz e sustentar pela sua força. A conversão é uma decisão de fé, que nos envolve inteiramente na comunhão íntima com a pessoa viva e concreta de Jesus. A conversão é o ‘sim’ total de quem entrega sua vida a Jesus pela vivência do Evangelho. “Cumpriu-se o tempo e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15). Penitência não é para fazer mal Para vencermos a nós mesmos, nossas fraquezas e paixões desordenadas, a Igreja recomenda, sobretudo na Quaresma, o jejum, a esmola e a oração como “remédios contra o pecado”, a fim de dominar as fraquezas da carne e aproximar-se de Deus. Portanto, não se deve fazer uma penitência exagerada, uma mortificação que leve a pessoa a ficar doente ou a se sentir mal. O jejum exige, sim, passar um pouco de fome durante o dia, mas sem causar mal à pessoa, sem tirar a sua condição de trabalhar, rezar etc. Saber calar pode ser uma boa penitência Há formas boas de mortificação, como cortarmos aquilo que nos agrada, seja para o corpo ou para o espírito, mas há pessoas que fazem excessos: peregrinações longas demais, penitências até com feridas, prejudicando a saúde. Deus não quer isso, Ele não nos pede o impossível. Qual mortificação eu preciso fazer? É aquela que abate o meu pecado. Se eu sou soberbo, então minha penitência deve ser o exercício de humildade: vencer todo orgulho, ostentação, vaidade, exibicionismo, desejo de aparecer, de impor-se aos outros e saber calar. Se seu pecado é o apego aos bens materiais e ao dinheiro, então eu preciso exercitar muito a boa e farta esmola, o desprendimento do mundo e das criaturas. Se meu mal é a luxúria e a impureza, então vou exercitar a castidade nos olhos, ouvidos, leituras, pensamentos e atos. Se sou irado, vou conquistar a mansidão; se sou invejoso, vou buscar a bondade; se sou preguiçoso, vou trabalhar melhor e ser diligente em servir aos outros sem interesses. Perdoar pode ser mais importante São Francisco de Sales, doutor da Igreja, dizia que a melhor penitência é aceitar, com resignação, os males que Deus permite que nos atinjam, porque Ele sabe do que precisamos, e assim nossos pecados são vencidos. A penitência que Deus nos manda é melhor do que aquela imposta por nós mesmos. Então, aceite, especialmente na Quaresma, sem reclamar, sem culpar ninguém, todos os males, dores, aborrecimentos e injurias que sofrer, e ofereça tudo a Deus pela sua conversão. Pode ser que dar o perdão a quem lhe ofendeu seja mais importante do que ficar 40 dias sem fazer isso ou aquilo. Uma visita a um doente, a um preso, o consolo de alguém aflito pode ser mais importante que uma peregrinação demorada. Tudo é importante, mas é preciso observar o mais importante para a realidade espiritual.

Crédito: Professor Felipe Aquino

Fonte: http://formacao.cancaonova.com/liturgia/tempo-liturgico/quaresma/cuidado-com-as-penitencias-absurdas-na-quaresma/

Descubra cinco valiosos motivos para rezar todos os dias!

Descubra cinco valiosos motivos para rezar todos os dias! 19/02/2016, A oração é o alimento da alma. Se não ingerirmos uma determinada quantidade de nutrientes necessários diariamente, nosso organismo começará a reagir de modo negativo; com o passar do tempo, vamos adquirir uma anemia. O mesmo processo ocorre com a vida interior. Se, a cada dia, não cultivarmos uma vida de oração, nossa alma contrairá uma anemia espiritual. Precisamos cuidar do coração para que nossa fé seja sempre renovada no amor e na esperança. 1 – Fortalecimento da fé: Nossa vida de fé se alimenta daquilo que oferecemos à nossa alma. Quando nos descuidamos da oração, nossa vida de fé diminui gradativamente. Muitos se descuidaram a tal ponto da vida de oração, que hoje se encontram espiritualmente anêmicos, sem forças diante das difíceis situações da vida. Quanto mais rezamos, mais nossa fé cresce e se fortalece. 2 – Resistência contra os ataques do mal: Todos os dias, somos cercados de muitas forças do mal, as quais tentam nos roubar a paz. Uma vida de oração fecunda e intensa afasta de nós as forças das trevas. A luz que irradia de nossa fé deixa cego o inimigo. Mergulhados em Deus, criamos uma resistência espiritual contra todo vírus do mal. 3 – Santificação pessoal: Os santos alcançaram a glória divina, porque na vida foram pessoas de oração e caridade. A vida de oração caminha de mãos unidas com a ação, e para ser santo é preciso ser pessoa de oração. Quando nossa vida se torna oração por completo, até mesmo em nosso trabalho estamos rezando, porque nos unimos de tal maneira a Deus que não mais podemos nos separar d’Ele. 4 – Imunidade contra o negativismo: Pessoas mal-humoradas têm tendência a serem de pouca oração. Quem reza é mais animado, olha a vida com mais amor, acolhe com mais carinho seus irmãos, reconhece nos sofredores o próprio Cristo, são promotores da paz, praticam a caridade sem esperar retorno. Invista na oração e verá os benefícios na sua alma. 5 – Amadurecimento espiritual e humano: Aquele que cultiva uma vida de oração aos poucos vai adquirindo a sabedoria necessária diante das realidades humanas e espirituais. Uma vida de oração assídua desenvolve na alma o amadurecimento espiritual, que nos faz abandonar nas mãos de Deus todas as nossas fragilidades e confiar a sua misericórdia às difíceis situações da vida, para as quais não encontramos solução. Os benefícios para quem investe um período do seu dia no cultivo da oração são enormes. Não há contraindicações e todos podem ser beneficiados pelo amor misericordioso de Deus, que restaura o coração e devolve a saúde espiritual à alma abatida.

Crédito: Padre Flávio Sobreiro

Fonte: http://formacao.cancaonova.com/espiritualidade/vida-de-oracao/cinco-motivos-para-rezar-todos-os-dias/

Métodos Naturais

Métodos Naturais 12/01/2016, Saiba um pouco mais sobre o Método Natural! - CENPAFLAM - Métodos Naturais Os Métodos Naturais de Planejamento Familiar como técnica, constituem-se em componente importante do Planejamento Natural da Família. Constituem-se atualmente como métodos cientificamente bem estudados e desenvolvidos. Não se trata mais de algo empírico, e duvidoso. O desenvolvimento científico dos métodos naturais os colocou no campo da experimentação e evolução cientifica. Isto equivale a dizer que os métodos naturais hoje se equivalem, como técnica, a todos os outros métodos existentes. Porém, Planejamento Natural da família não é só método natural. Planejamento natural da família Planejamento Natural da Família é uma opção de vida. É a busca de algo que transforme, que vivifique, que dê sentido e razão. O método natural se plenifica no contexto de vida que o acolhe. Este contexto parte do princípio da dignidade de toda pessoa e da sua busca e direito à plena realização e a sua dimensão transcendental. Daí decorre a descoberta e valorização de uma individualidade verdadeira, de uma sexualidade plena, de um investimento em saúde, de uma abertura ao outro e à participação social e comunitária, de uma abertura à geração responsável de nova vida e sua acolhida generosa e feliz. Espiritualidade conjugal Este conjunto constitui uma nova e forte e encarnada espiritualidade do amor conjugal e da família. O Deus da Vida está presente e ativamente neste contexto, inspirando, alimentando com a sua graça, dando forças para que as pessoas possam cumprir com alegria a sua missão. Planejamento Natural da Família é esta nova opção de vida e de vivência do Amor em família e que, quando se trata de programar um novo filho, lança mão dos conhecimentos trazidos pelos métodos naturais. Benefícios do Método de Ovulação Billings: - O reforço da autoestima da própria mulher. -A responsabilidade compartilhada. -O autocontrole é uma qualidade. -O respeito mútuo. -Ajuda a descobrir a ternura e a afetividade que encerra a sexualidade. -Desenvolvimento da comunicação. -Aumento da fertilidade e da estabilidade conjugal. -Respeito à vida.

Método Billings

Método Billings 05/01/2016, HISTÓRICO: O Método de Ovulação Billings começou na Austrália quando um padre pediu ajuda ao doutor John Billings, pois estava trabalhando com casais e eles tinham razões sérias para adiar uma gestação, mas não tinham nada para auxiliá-los. A partir de então, Dr. John começou a pedir as mulheres que fizessem anotações sobre o seu dia a dia. O QUE É O MOB (MÉTODO DA OVULAÇÃO BILLINGS)? • Toda mulher traz dentro de si uma espécie de relógio interno que regula uma função vital: a procriação, o dar a vida a uma criança. Consideremos o corpo de uma mulher como a terra, na qual gostaríamos de plantar uma semente. A terra deverá ser quente e úmida para que a semente germine. Quando a mulher está na fase fértil de seu ciclo, seu corpo produz uma secreção mucosa especial. • Materiais Necessários • - Caneta ou lápis e lápis de cor. • - Papel para registro do gráfico. • - Suas observações. • 3 - Como realizar as observações • As observações são realizadas ao longo do dia, durante as atividades habituais: trabalhar, andar, praticar exercícios. Na posição em pé e com a movimentação do corpo, o muco cervical deixa o canal vaginal, alterando a sensação na vulva, porém é importante lembrar que nem sempre o muco é visível. A mulher identifica a sensação na vulva e posteriormente realiza a inspeção do muco se possível. Não devem ser realizados exames internos, já que a vagina é sempre molhada e essa atitude pode ocasionar confusão. O muco deve ser visualizado naturalmente, na roupa íntima, ao higienizar-se e/ou durante as eliminações fisiológicas. • A mulher se mantém em sintonia com seu corpo, tornando-se automático e harmônico memorizar as mudanças que ocorrem, para posteriormente anotá-las. VANTAGENS DO MÉTODO DE OVULAÇÃO BILLINGS • é fácil de usar e simples de aprender; • não necessita de drogas ou dispositivos; • não apresenta efeitos colaterais; • pode ser usado em qualquer etapa da vida fértil da mulher (amamentação, stress, pré-menopausa...); • é moralmente aceito em todas as culturas; • pode ser usado por deficientes visuais e por pessoas que não saibam ler ou escrever • O CASAL DIVIDE A RESPONSABILIDADE no planejamento familiar. • as mulheres podem entender o método no primeiro mês de auto-observação, mesmo que sejam analfabetas,cegas, etc... • 99% de eficácia para espaçar a gravidez quando as indicações forem seguidas à risca. BENEFÍCIOS NA VIDA DO CASAL: • Usando o método, o casal se conhece melhor e faz uma cooperação com Deus, reconhecendo que Ele é o criador de todos e o casal é o pro-criador. Eles procriam com Deus. Um bom fundamento para este método é que os casais procuram por um método que tenha uma boa fundação. O método é reconhecido pela WOOMB, uma organização mundial. O MOB é o método do amor. Caso você se interesse em aprender o Método de Ovulação Billings, entre em contato conosco. O atendimento acontece com casais já casados, noivos se preparando para o matrimônio ou jovens solteiras que querem entender o funcionamento do seu corpo. Não há faixa etária para o MOB. Nossa Paróquia já tem pessoas capacitadas para instruir no uso do método Billings. Você sabe como funciona? Quer aprender? Entre em contato! LAYLA – Telefone: 99829-8776 e-mail: laylacpires@gmail.com FABRICIO – Telefone: 998373050 e-mail: fabriciokendor@gmail.com

A morte não é nada - Santo Agostinho

A morte não é nada - Santo Agostinho 13/10/2015, A morte não é nada. Eu somente passei para o outro lado do Caminho. Eu sou eu, vocês são vocês. O que eu era para vocês, eu continuarei sendo. Me dêem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram. Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador. Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos. Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim. Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo. Sem nenhum traço de sombra ou tristeza. A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado. Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas? Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do caminho...Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela. Como sempre foi.

Crédito: Santo Agostinho

Família, lugar de perdão.

Família, lugar de perdão. 24/09/2015, FAMÍLIA, LUGAR DE PERDÃO... Não existe família perfeita. Não temos pais perfeitos, não somos perfeitos, não nos casamos com uma pessoa perfeita nem temos filhos perfeitos. Temos queixas uns dos outros. Decepcionamos uns aos outros. Por isso, não há casamento saudável nem família saudável sem o exercício do perdão. O perdão é vital para nossa saúde emocional e sobrevivência espiritual. Sem perdão a família se torna uma arena de conflitos e um reduto de mágoas. Sem perdão a família adoece. O perdão é a assepsia da alma, a faxina da mente e a alforria do coração. Quem não perdoa não tem paz na alma nem comunhão com Deus. A mágoa é um veneno que intoxica e mata. Guardar mágoa no coração é um gesto autodestrutivo. É autofagia. Quem não perdoa adoece física, emocional e espiritualmente. É por isso que a família precisa ser lugar de vida e não de morte; território de cura e não de adoecimento; palco de perdão e não de culpa. O perdão traz alegria onde a mágoa produziu tristeza; cura, onde a mágoa causou doença. Papa Francisco.

Crédito: Papa Francisco